- - - - - - - - - -

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira
° Caro visitante, existe 1 minuto de interregno entre a identificação dos intérpretes °
Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Existem (pelo menos) 80 letras publicadas que não constam do índice. Caso encontre alguma avise-me, por favor.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

6.270 LETRAS PUBLICADAS /*/ 2.107.500 VISITAS /*/ ABRIL 2021

ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO.

Pois mesmo desagradando // A "Troianos" maldizentes / Os "Gregos" vão apoiando // E vão ficando contentes

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Se não encontra a fado preferido // Envie, por favor, o seu pedido.

fadopoesia@gmail.com

- - - - - - - - - - - - - - - -

Pesquisa >

Quando Morfeu não vem

Paco Gonzalez / Renato Varela *fado varela*
Repertório de Tristão da Silva

Fugiu de mim há muito, a voz do sono
Desperto, vivo a vida para sentir
Que não sendo de mim o próprio dono
Muito menos sou dono de dormir

Eu sou dos vendavais e dos caminhos
Mais tenebrosos que a vida pode ter
Sou a raiva de ver os pobrezinhos
E sou a dor de lhes não poder valer

Eu sou o pé descalço na calçada
Sou o jornal que serve de colchão
Sou a boca que mesmo amordaçada
Suspira por justiça, amor e pão

Ai se eu pudesse ser no mundo, o rei
Do mistério a que chamo poesia
Em versos eu diria o que não sei
Depois, então estou certo que dormia