- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.485 LETRAS <> 2.524.500 VISITAS <> JULHO 2022 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Varina da Mouraria

Artur Gonçalves / Pedro Rodrigues
Repertório de Marina Mota

Com seu vistoso pregão
Vai subindo o Capelão
A Maria vendedeira
Pousa a canastra na Guia
P’ra atender a freguesia
Que habita na Amendoeira

Todo o bairro gosta dela
Por ser a mais linda e bela / Varina da Mouraria
Em cada lado mais pobre
Há-de haver um peito nobre / P’ra defender a Maria

Velha Mouraria inteira
Se orgulha da vendedeira / Do seu labor e virtude
Pois em vez de passear
Aos domingos vai rezar / À Senhora da Saúde

Recebe qualquer chalaça
Com ditos cheios de graça / Sem ofender, sem ter mal
Que sejam como a Maria
Varina da Mouraria / Varinas de Portugal