- - - - - - - - - -

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira
° Caro visitante, existe 1 minuto de interregno entre a identificação dos intérpretes °
Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Existem (pelo menos) 80 letras publicadas que não constam do índice. Caso encontre alguma avise-me, por favor.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

6.270 LETRAS PUBLICADAS /*/ 2.078.500 VISITAS /*/ MARÇO 2021

ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO.

Pois mesmo desagradando // A "Troianos" maldizentes / Os "Gregos" vão apoiando // E vão ficando contentes

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Se não encontra a fado preferido // Envie, por favor, o seu pedido.

fadopoesia@gmail.com

- - - - - - - - - - - - - - - -

Pesquisa.

Café das camareiras

Gabriel de Oliveira / Manuel Maria Rodrigues / Alfredo Duarte
Repertório de Carlos Macedo

Vou fazer a descrição
Dum café de camareiras
Que havia na Mouraria
Lembrar tempos que lá vão
De fidalgos e rameiras
E cenas de valentia

Os fadistas são atores
O cenário è a ralé / Com isso ninguém se ilude
Nós somos os espectadores
O teatro è o café / Do cantinho da saúde

È bom que ninguém se afoite
Vão dar-se cenas canalhas / Nesses antros de má fé
Eram dez horas da noite
Entrou a rusga às navalhas / P'las portas do café

O Pinóia da guitarra
Fadista bem conhecido / Parou de cantar o fado
Há burburinho, algazarra
E um fidalgo destemido / Negou-se a ser apalpado

Rufias falam calão
E uma camareira esperta / Chegou-se com ligeireza
À beira de um rufião
Sacando a navalha aberta / Que este espetara na mesa

Depois da rusga abalar
Entraram muitas rameiras / Há movimento, alegria
Há fadistas a cantar
Várias cenas desordeiras / Era assim a Mouraria