- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.347.000 VISITAS <> NOVEMBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Lisboa cidade

Letra e musica de Lima Brumond
Repertório de Linda Leonardo

Lisboa cidade onde vivo
A pressa constante de sobreviver
Que habito, percorro e acabo
Por não chegar a conhecer

São casas, pessoas e ruas
Um mendigo a esmolar num portal
E uma bica tomada a correr 
Antes de ir trabalhar

E o tempo a passar sem haver
Um momento a parar, reflectir e pensar
O almoço comido de pé
Apressado também, quase sem mastigar
A conta que passa da conta
O dinheiro que não dá p’ra nada
E o olhar que deixamos na montra
Fica à espera da nova mesada

Lisboa cidade de tédio 
Com as suas sete colinas veladas
Tem lágrimas em cada prédio
Nas vidraças dependuradas

E o povo disfraça o cansaço 
Com o mesmo sorriso falso que o anima
E tropeça o seu passo ligeiro 
Ao virar cada esquina

E o tempo a passar sem haver
Um momento a parar, reflectir e pensar
E quando acaba o trabalho
O regresso p’ra casa, o transporte, o jantar
E quando a Lisboa adormece
A certeza que ela nos deixou
É de haver amanhã outro dia
P’ra viver, igual ao que acabou