- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.347.000 VISITAS <> NOVEMBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Resgate

Rui Rocha / Miguel Rebelo
Repertório de Teresa Tapadas

As mágoas que guardo da vida
Da memória não quero apagar
A ferida que não foi lambida
Mesmo o tempo não a faz sarar

Angústias tatuadas sem cor
A tristeza vestida a rigor
Uma voz rouca a carpir a minha dor

De luto fui trajando a alma
Moribunda, tenho a esperança
A raiva que nunca se acalma
Revoltando a boa lembrança

Desgostos que o vento não leva
São pecados sem Adão e Eva
O destino que por se cumprir me releva

Será que trago traçado no rosto e no fado
Desgostos de amor?
Será que sou indiferente, alguém que não sente
Paixão e fervor?
Depois, olhando o céu, solto o que é meu, choro a cantar
No coração vou resgatar minha canção

As mágoas que guardo na alma
Na memória apenas esperança
Ferida que nunca se acalma
O tempo me traz as lembranças

Angústias, o vento não leva
A tristeza de Adão e Eva
Uma voz rouca a cumprir me releva