- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Canal de JOSÉ FERNANDES CASTRO em parceria com RÁDIO MIRA

RÁDIO apadrinhada pelo mestre *RODRIGO*

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
AS LETRAS PUBLICADAS REFEREM A FONTE DE EXTRAÇÃO, OU SEJA: NEM SEMPRE SÃO MENCIONADOS OS LEGÍTIMOS CRIADORES
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
ATINGIDO ESTE VALOR // QUE ME FAZ SENTIR HONRADO // CONTINUO, COM AMOR // A SER SERVIDOR DO FADO
POIS MESMO DESAGRADANDO // A TROIANOS MALDIZENTES // OS GREGOS VÃO APOIANDO // E VÃO FICANDO CONTENTES
--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
6.525 LETRAS PUBLICADAS <> 2.572.800 VISITAS < > SETEMBRO 2022
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Esta menina cidade

Mário Rainho / Braga Santos
Repertório de Célia André
Este “fado-marcha” estreou no Teatro ABC, na revista “Lisboa Meu Amor”, 1992


Tem por brasão a nobreza 
De ser povo, simplesmente
Tem Lisboa, com certeza
Esta realeza, de saber ser gente 

Tem um vestido rendado
Todo bordado a maresia
Que traz do seu baptizado 
Quando lhe foi dado
O nome de Maria 

Esta Maria cidade
É tão linda que magoa 
Apesar da sua idade 
Tem a mesma mocidade 
É tão menina Lisboa 
E quando se acende a lua 
Sua voz na rua entoa 
Não há Lisboa sem marcha 
Não há marcha sem Lisboa 

Para mostrar que é rainha
Tem o seu porte altaneiro 
Não gosta de andar sozinha
Por isso há noitinha 
Sai com o povo inteiro 

Que ninguém lhe chame sua
Pois Lisboa, simplesmente 
À luz do sol ou da Lua
Ela é minha e tua
É de toda a gente