- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Canal de JOSÉ FERNANDES CASTRO em parceria com RÁDIO MIRA

RÁDIO apadrinhada pelo mestre *RODRIGO*

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
AS LETRAS PUBLICADAS REFEREM A FONTE DE EXTRAÇÃO, OU SEJA: NEM SEMPRE SÃO MENCIONADOS OS LEGÍTIMOS CRIADORES
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
ATINGIDO ESTE VALOR // QUE ME FAZ SENTIR HONRADO // CONTINUO, COM AMOR // A SER SERVIDOR DO FADO
POIS MESMO DESAGRADANDO // A TROIANOS MALDIZENTES // OS GREGOS VÃO APOIANDO // E VÃO FICANDO CONTENTES
--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
6.525 LETRAS PUBLICADAS <> 2.552.800 VISITAS < > AGOSTO 2022
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Duas janelas

Artur Ribeiro / António Mestre
Repertório de Maria Clara 

Quando na hora marcada / Chegas á tua janela
A minha fica mais bela / Pela tua enamorada

E depois, numa conversa / Levada pela nossa voz
De casarem como nós / Fazem a louca promessa

Duas janelas
Morando na mesma rua
Uma é minha, a outra é tua
Juntas na mesma oração
Rezam horas esquecidas
O noivado de nós dois
Para ficarem unidas
Em nossa casa, depois

Depois do nosso noivado / Hás-de ver as janelinhas
A viver muito juntinhas / Em nosso ninho encantado

E quando, lá das estrelas / Vier alguém por bendigo
Verás nascer um postigo / Filho das duas janelas