- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.360 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Fora de portas

Maria da Conceição Piedade / Manuel Zambujo
Reertório de Vicente da Camara

Nos tempos do marialva
Das festas fora de portas
Mal nascia a estrela d'alva
Toda a gente ia p'ras hortas

Farnel feito á noitinha
E o garrafão bem atestado
Guitarra mesmo velhinha
Porque o festão pedia fado

E a mocidade de outrora / Era brava e reinadia
Em pouco mais duma hora / Vivia as horas dum dia
Nas hortas ou nas esperas / Os de mais unhas eram heróis
Tocavam fado, deveras / E mesmo á unha pegavam bois

Nessas tardes domingueiras
Depois do sol s'esconder
Curtiam-se as bebedeiras
Mas não valia ofender

E no regresso das hortas
Desafiados pelas cigarras
Deixavam fora de portas
Gemendo fado, velhas guitarras