- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.360 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Fado de rua - Cantiga do ladrão

Tiago Torres da Silva / Rão Kyao
Intérprete: Rão Kyao e Carminho

Amanhã quero ir à romaria
E depois de um copo de sangria
Vou dançar até raiar o dia... dentro do salão
A cidade está em festa
Mas não sei se vai ser desta
Porque o meu amor detesta... tanta confusão

Mas se ele amuar eu vou sozinha
A mulher que nasceu alfacinha
Não resiste ao cheiro da sardinha... a saltar no carvão
Ouves aquela varina
Já quase a dobrar a esquina?
Quero ver se ela me ensina... um novo pregão

Pelo céu já bailam os foguetes
Eu vou nem que chovam canivetes
Eu não sou mulher de fazer fretes... por uma paixão
Se o meu amor se admira
Vou contar-lhe uma mentira
P’ra poder dançar o vira... e mais o malhão

Ele finge mas não acredita
E diz que é por eu ser tão bonita
Que não quer que eu vista só de chita... num dia de Verão
Porque qualquer rapariga
Com amor e jeropiga
Cai na lábia da cantiga... de qualquer ladrão

Santo António gosta de alarido
Não vos passa o que ele tem sofrido
Todas querem arranjar marido... só eu é que não
Porque eu tenho um namorico
A cheirar a manjerico
Com um fado que dedico... ao meu São João

Meu amor não vou pedir licença
Ir na marcha é como uma doença
Para o ano talvez te convença... ou talvez não
Mas se fores não vás sozinho
Meu amor dá-me um beijinho
Meu amor leva um arquinho... que eu levo um balão