- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Conjugar Lisboa

Rosa Lobato de Faria / Nuno Nazareth Fernandes
Intérprete: Mísia


Nesta Lisboa princesa
Filha estrela da mãe d’água
Alfama minha tristeza
Chafarizo a minha mágoa

Bato sonhos em Castelo / No Desterro do cansaço
Com Pontinhas de cabelo / No Terreiro onde passo

Restelos do que vivi / Bem ficam noutras Mercês
Quando Rossio por ti / Portelo Cais de Sodrés

Mas quando tu me Xabregas / Não me deixo Saldanhar
Só te Tejo se navegas / Nas ondas do Lumiar

E porque Politeamo / Picoas cada vez mais
À janela me moiramo / A ver se és tu que Olivais

Eu Areeiro, tu Chelas / Se ela Parque, Amoreiras
Mas se Intendente dou por ela / Que Marvila, tu Telheiras

Ando a conjugar Lisboa / A ver se o Salitre passa
Pois nada nos Madragoa / Se é feito com ar de Graça