- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.315 LETRAS <> 2.220.000 VISITAS <> JULHO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Pequena do Chafariz

Luís Simão / Moniz Trindade
Repertório de Moniz Trindade

Vai ao Chafariz-del-Rei / Uma pequena de Alfama
Com quem há tempo falei / Mas não sei como se chama

Só sei que nas horas vagas / Canta o fado nas tavernas
É p’ró Tejo que ela adora
Pois mora aonde ela mora / Junto aos becos e lanternas

Quadro bairrista desta Lisboa
Tela fadista se vivesse ainda Malhoa
Um riso dela é bem a prova
P’ra que a viela seja toda ela, uma trova

Com a cântaro de barro / Bem assente no quadril
Lá vai com o seu ar bizarro / Muito nobre, senhoril

Pois o Chafariz-del-Rei / Conhece-a desde garota
Era lá que ela cantava
E que traquina, brincava / Já provocante e marota