- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.347.000 VISITAS <> NOVEMBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Rasga o passado

Letra e musica de: Alvaro Duarte Simões
Repertório de Amália


Tu fizeste... do meu viver um sonho agreste
E a minha mocidade
P'la tua maldade em troca eu te dei
Querias mais... mais que o corpo e a alma

Mais que a paz e a calma
Que em ti nunca encontrei


Dia a dia... em vez do amor, a nostalgia
E ao fim de tantos anos
Queres mais desenganos de novo a meu lado
Não posso esquecer... que é já tarde demais p’ra te querer
Como carta que rasgas sem ler
Rasga o passado

O passado... não deve nunca ser guardado
Quer em cada momento
Se viva um lamento ou um sorriso fugaz
Pois mais tarde, numa carta esquecida
Encontrámos a vida
Que já ficou p’ra trás

É diferente... o sol feito de luz ardente
Do mesmo sol poente
Que arrasta consigo um dia cabado
Já basta saber... que há em nós a saudade a doer
Se afinal recordar é sofrer
Rasga o passado