- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Fado do Ary

Fernando Campos de Castro / Victor Cardoso
Repertório de Natércia Maria

Fizeste de Lisboa amiga e tua amante
A mãe donde nasceste magoado
Sonhaste um céu sem fim, ali do Alecrim
A rua onde brincaste com teu fado

No ventre das colinas fizeste a tua cama
Bebeste a noite em taças de desejo
Amaste nas esquinas da tua velha Alfama
Os corpos que se vendem por um beijo

Ary das noites loucas
Que deste às nossas bocas
O fado mais bonito que se fez
Poeta d’alegria
Que deste à poesia
A voz de todo o povo português

Olhaste do castelo o corpo de Lisboa
Por quem te encontravas e perdias
Fizeste da Ribeira a tua companheira
Em cada madrugada que sentias

Nas ruas de basalto correndo para o Tejo
Cantaste-nos ao verso esta cidade
Até que adormeceste na casa onde viveste
Ali na velha rua da saudade