- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Canal de JOSÉ FERNANDES CASTRO em parceria com RÁDIO MIRA

RÁDIO apadrinhada pelo mestre *RODRIGO*

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
AS LETRAS PUBLICADAS REFEREM A FONTE DE EXTRAÇÃO, OU SEJA: NEM SEMPRE SÃO MENCIONADOS OS LEGÍTIMOS CRIADORES
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
ATINGIDO ESTE VALOR // QUE ME FAZ SENTIR HONRADO // CONTINUO, COM AMOR // A SER SERVIDOR DO FADO
POIS MESMO DESAGRADANDO // A TROIANOS MALDIZENTES // OS GREGOS VÃO APOIANDO // E VÃO FICANDO CONTENTES
--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
6.525 LETRAS PUBLICADAS <> 2.572.800 VISITAS < > SETEMBRO 2022
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Cais do desencontro

Fernando Lito / Franklim Godinho
Repertório de Norberto Martinho

Fui ao cais p’ra ver a rota
Desenhada p’la gaivota
Que levou recados meus
Nesse cais tão triste e escuro
Ficou o nosso futuro
Entregue aos cuidados teus

Fui ao cais da tua ausência
Tanto tanto me atormenta / O meu desgosto é profundo
Noite escura, vultos negros
Olhos tristes, olhos cegos / Que já não vêem o mundo

Não sei que mal fiz á vida
P’ra qe a simples despedida / Afinal fosse o meu fim
Fui ao cais, falou-me o fado
Tinhas passado há bocado / No mar da vida, sem mim