- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.266.500 VISITAS <> SETEMBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Fado da minha vida

José Fernandes Castro / Raúl Ferrão *fado alcantara*
Repertório de Angelina Pinto

A minha vida, qual bola descolorida
Tem a côr desmaecida p’la lei do amor
Neste meu peito bate um coração sem jeito
Porque meu sonho perfeito perdeu a côr

Sabe-se lá, porque é que a vida nos dá
Dentro de cada manhã, um sol tristonho
Este meu pranto tem a côr do desencanto
Porque sofro tanto tanto que já nem sonho

Não consigo lidar com o inimigo
Pois sei que corro o perigo de me perder
Por não saber qual a côr da minha lei
Sinceramente não sei, o que fazer;
Quero apenas que as dores sejam pequenas
Para que nos meus poemas haja mais céu
A minh’alma tem fado magoado
Da côr dum pecado que alguém cometeu

Na minha mente há um sopro diferente
Que me dá constantemente prantos de dor
E quando o dia me traz mais melancolia
Só o sol da poesia me põe melhor

Quando preciso do brilho dum bom sorriso
Imagino o paraíso no olhar do mundo
E a minha voz canta poemas por nós
Gerando um sonho veloz e mais profundo