- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.360 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

À janela da vida

Carlos Conde / Alfredo Duarte 
Repertório de Alfredo Marceneiro 

P’ra ver quanta fé perdida 
Quanta miséria sem par 
Há neste orbe atroz, ruim
Pus-me à janela da vida 
E alonguei o meu olhar 
P’lo vasto mundo sem fim 

Pus todo o meu sentimento
Na mágoa que não se aparta / Do que mais nos desconsola
E assim, a cada momento
Vi buçais comendo à farta / E génios pedindo esmola

Vi muita vez a razão 
Por muitos posta de rastos / E a mentira em viva chama 
Até por triste irrisão 
Vi nulidades nos astros / E vi ciências na lama 

Vi dar aos ladrões, valores 
Vi sentimentos perdidos / Nas que passam por honradas 
Vi cinismos vencedores
Muitos heróis esquecidos / E vaidades medalhadas
 
Vi, no torpor mais imundo
Profundas crenças caindo / E maldições ascendendo 
Tudo vi, por esse mundo 
Vi miseráveis subindo / E homens honrados descendo 

Por isso, afirmo, conciso 
Que, p’ra na vida ter sorte / Não basta a fé decidida 
P’ra ser feliz, é preciso 
Ser canalha até à morte / Ou não pensar mais na vida