- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Canal de JOSÉ FERNANDES CASTRO em parceria com RÁDIO MIRA

RÁDIO apadrinhada pelo mestre *RODRIGO*

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
AS LETRAS PUBLICADAS REFEREM A FONTE DE EXTRAÇÃO, OU SEJA: NEM SEMPRE SÃO MENCIONADOS OS LEGÍTIMOS CRIADORES
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
ATINGIDO ESTE VALOR // QUE ME FAZ SENTIR HONRADO // CONTINUO, COM AMOR // A SER SERVIDOR DO FADO
POIS MESMO DESAGRADANDO // A TROIANOS MALDIZENTES // OS GREGOS VÃO APOIANDO // E VÃO FICANDO CONTENTES
--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
6.525 LETRAS PUBLICADAS <> 2.572.800 VISITAS < > SETEMBRO 2022
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Devagar, devagarinho

Letra e música de: Manuel Bobone
Repertório de António Pinto Basto

Devagar, conta-me a história

Resumida, dilatada
Tremenda de bem contada

Devagar, mas de memória

Devagar, que tenho medo / Do fundo do mar em mim
Da sombra do meu segredo / Do princípio e não do fim

Devagar, tira do tempo / A medida singular
Que pôe asas no vento / Que faz o tempo passar

Devagar, tão devagar / Qe eu não veja, não transponha
Abismos no teu olhar / De verdade, ou de vergonha

Devagar, lembra-me o dia / Do princípio ou fim, que importa
Da gorada fantasia / Que antes de nada, era morta

Devagar, senta-se á mesa / Do dono do universo
Mata fontes de incerteza / Dá-me um beijo, faz-me um verso

Devagar, conta-me um conto / Repetido ou inventado
Tremendo de bem contado / Devagar, ponto por ponto

Devagar foge de mim / Marca pedras no caminho
Não corras, vai sempre assim / Devagar, devagarinho