- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.360 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Fado transmontano

Ary dos Santos / Carlos Paulo
Repertório de Carlos do Carmo

Por trás da pedra dura, pedra negra
Para além destas encostas
Um homem quando nasce é como a pedra
E o marão volta-lhe as costas

Ai como é duro este centeio
Com as altas montanhas pelo meio
E um homem que é um pássaro sem lar
Poderá por não ter chão, saltar

Por detrás de Trás-os-Montes, é numa cama de vento
Que se deitam horizontes nos lençóis do sofrimento
Por detrás de Trás-os-Montes, um cobertor de geada
Gela a garganta das fontes, mas o frio não sabe a nada

Por detrás das mãos rugosas e da mágoa
Para aquém desta grandeza
Os homens transmontanos choram água
Pelos olhos da tristeza

Pois quando um homem chora á portuguesa
A raiva é maior do que a pobreza
E um homem que é um pássaro sem lar
Poderá tendo mulher, saltar

Por detrás de Trás-os-Montes a mulher é de granito
Os seus braços duas pontes entre o ventre e o infinito
Por detrás de Trás-os-Montes os homens são andarilhos
Seus barcos arcos das pontes que ligam a terra aos filhos

Por detrás da pedra negra, anda tanta, tanta fome
Que um homem quando emigra, esquece até o próprio nome
Em Trás-os-Montes chamado Zé Mário no seu país
Seu nome está exilado, como se chama em Paris