- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.350 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Chafariz da Esperança

Carlos Conde / Pedro Rodrigues
Repertório de Raúl Pereira

Junto ao chafariz da Esperança
Houve em tempo, uma taberna
Onde o fado se cantava
E que ainda tem por lembrança
O sítio onde uma lanterna
Tristemente alumiava

Na tasca qu então mantinha / Um nome pouco afamado
Tudo cantava a seu jeito
Mas foi lá que o Vianinha / Compôs um dia o seu fado
Que lhe deu nome e proveito

Era ali que o Avelino / Harrington, Manuel da mota
Iam beber e rimar
Enquanto um vago destino / Levava o Júlio Janota
Ás cantigas a atirar

Levou-me um instinto rasca / Á porta dessa taberna
Não p’ra cantar ou beber
Mas p’ra ver onde era a tasca / Que a fadistagem moderna
Não chegou a conhecer