- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Canal de JOSÉ FERNANDES CASTRO em parceria com RÁDIO MIRA

RÁDIO apadrinhada pelo mestre *RODRIGO*

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
AS LETRAS PUBLICADAS REFEREM A FONTE DE EXTRAÇÃO, OU SEJA: NEM SEMPRE SÃO MENCIONADOS OS LEGÍTIMOS CRIADORES
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
ATINGIDO ESTE VALOR // QUE ME FAZ SENTIR HONRADO // CONTINUO, COM AMOR // A SER SERVIDOR DO FADO
POIS MESMO DESAGRADANDO // A TROIANOS MALDIZENTES // OS GREGOS VÃO APOIANDO // E VÃO FICANDO CONTENTES
--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
6.570 LETRAS PUBLICADAS <> 2.630.000 VISITAS < > NOVEMBRO 2022
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Fado dos saltimbancos

Isidoro de Oliveira / Popular *fado mouraria*
Repertório de João Ferreira Rosa

Recordando meus senhores
Os tempos que já lá vão
Ainda há amadores
P’ra manter a tradição

Nada na vida os aterra / São alegres e são francos
E chamam-lhe os saltimbancos / Por andar de terra em terra
Nunca faltam a uma ferra / Em casa de lavradores
Nos retiros cantadores / Lá estão em dia de farra
Cantando ao som da guitarra
Recordando meus senhores

Na Arruda ou em Santarém / Na Chamusca ou no Cartaxo
O grupo não vai abaixo / Há-de ficar sempre bem
Depois de jantar tão bem / Agarram o seu pifão
Mas só com bom carrascão / Se deixam emborrachar
E em tudo fazem lembrar
Os tempos que já lá vão

Uns toureiam a cavalo / Outros a pé vão tourear
E nunca sai por pegar / Um toiro, posso afirmá-lo
Pois o grupo de quem falo / Marialvas cantadores
Toureiros e pegadores / Ao pisar os redondeis
Não levam nem cinco reis
Ainda há amadores

Este lindo festival / Que viram nossos avós
Não morre ainda entre nós / Não morre em Portugal
Porque temos o Vidal / E mais o Chico Leão
O Zé Núncio e o João / O Prestes e o Xavier
E a companhia que houver
P’ra manter a tradição