- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Canal de JOSÉ FERNANDES CASTRO em parceria com RÁDIO MIRA

RÁDIO apadrinhada pelo mestre *RODRIGO*

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
AS LETRAS PUBLICADAS REFEREM A FONTE DE EXTRAÇÃO, OU SEJA: NEM SEMPRE SÃO MENCIONADOS OS LEGÍTIMOS CRIADORES
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
ATINGIDO ESTE VALOR // QUE ME FAZ SENTIR HONRADO // CONTINUO, COM AMOR // A SER SERVIDOR DO FADO
POIS MESMO DESAGRADANDO // A TROIANOS MALDIZENTES // OS GREGOS VÃO APOIANDO // E VÃO FICANDO CONTENTES
--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
6.515 LETRAS PUBLICADAS <> 2.552.800 VISITAS < > AGOSTO 2022
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Fado dos azulejos

Ary dos Santos / Martinho d’Assunção
Repertório de Carlos do Carmo

Azulejos na cidade / Numa parede ou num banco
São ladrilhos da saudade / Vestida de aul e branco

Bocados da minha vida / Todos vidrados de mágoa
Azulejos despedida / Dos meus olhos rasos de água

Á flor de um azulejo, uma menina
Do outro, um cão que ladra e um pastor;
Ai moldura pequenina
Que és a banda desenhada
Nas paredes do amor

Azulejos desbotados / Por quantos viram chorar
Azulejos tão cansados / Por quantos viram passar

Podem dizer-vos que são / Podem querer-vos maltratar
De dentro do coração / Ninguém vos pode arrancar

Á flor do azulejo, um passarinho
Um cravo e um cavalo de brincar;
Um coração com um espinho
Uma flor de azevinho
E uma côr azul luar
Á flor dum azulejo, a côr do Tejo
E um barco antigo, ainda por largar;
Distância que já não vejo
E enche Lisboa de infância
E enche Lisboa de mar