- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.360 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Fado da lezíria

Ary dos Santos / Tó Zé Brito
Repertório de Carlos do Carmo

Mar Ribatejo maré cheia / O meu cavalo deslumbrou-se
E galopando pela areia / Bebeu no mar salgado e doce

É na lezíria que nos cheira / A maré viva dos esteiros
Água chorada a vida inteira / Dos homens que foram pioneiros


Tira o barrete põe o colete
De homem para homem enfrenta o toiro
Ensina o verde ao teu ginete
Que o verde é esperança, que o verde é oiro
Tira o barrete, põe o colete
Pega de caras o teu destino
Tira do verde todo o verdete
Homem inteiro, verde campino

Luz numa praça de aventura / Luzes no traje de um toureiro
Garcia Lorca que procura / Ver numa arena o seu tinteiro


Mudando de passos e faenas / E de lugares de sombra e sol
Os dois sectores que há nos poemas / Vivos na prosa de Redol