- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.266.500 VISITAS <> SETEMBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Fado da Madeira

Ary dos Santos / José Luís Tinoco 
Repertório de Carlos do Carmo

Esta levada de secura à minha beira
É água fria correndo p'las veias da Madeira
Esta levada dos verdes olhos de mágoa
É uma ilha bordada a chorar as penas de água

Espadinha negro, aço de peixe a brilhar
Mais a espetada com estilete à português do alto mar

Vou no Pirata
Passear a Porto Santo 
Amar na areia de prata 
O meu azul de quebranto
São as orquídeas 
Que te enfeitam o decote
Todas as flores ao despique
E a estrelícia a dar o mote

É na cambraia da ceia posta na mesa
Que esta aguardente e o mel fazem esquecer a tristeza
Mas na cambraia do lençol que a gente arranca
Quando o mar nos sabe a fel, o teu corpo é pomba branca

Espadinha negro, aço de peixe a brilhar
Mais a espetada com estilete à português do alto mar

Sou pescador 
Do mar fundo da Madeira
Sei prender o teu amor 
No anzól da vida inteira
Este meu fado 
Está tão cercado de mar
Que é sempre um lugar fechado 
Até um barco chegar

Amarro a ida às cordas do verbo amar
É aqui a minha vida, sou português de alto mar