- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Canal de JOSÉ FERNANDES CASTRO em parceria com RÁDIO MIRA

RÁDIO apadrinhada pelo mestre *RODRIGO*

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
AS LETRAS PUBLICADAS REFEREM A FONTE DE EXTRAÇÃO, OU SEJA: NEM SEMPRE SÃO MENCIONADOS OS LEGÍTIMOS CRIADORES
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
ATINGIDO ESTE VALOR // QUE ME FAZ SENTIR HONRADO // CONTINUO, COM AMOR // A SER SERVIDOR DO FADO
POIS MESMO DESAGRADANDO // A TROIANOS MALDIZENTES // OS GREGOS VÃO APOIANDO // E VÃO FICANDO CONTENTES
--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
6.515 LETRAS PUBLICADAS <> 2.552.800 VISITAS < > AGOSTO 2022
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Eu não sei quem te perdeu

Letra e musica de Pedro Abrunhosa
Repertório de Mafalda Arnauth

Quando veio mostrou-me as mõs vazias
As mãos como os meus dias
Tão leves e banais;
E pediu-me que lhe levasse o medo
Eu disse-lhe em segredo
Não partas nunca mais;
E dançou, rodou no chão mohado
Num beijo apertado de barco contra o cais

E uma asa voa a cada beijo teu
Esta noite sou dono do céu
E eu não sei quem te perdeu

Abraçou-me como se abraça o tempo
A vida num momento
Em gestos nunca iguais;
E parou, cantou contra o meu peito
Num beijo imperfeito
Roubado nos umbrais;
E partiu sem me dizer o nome
Levando-me o perfume de tantas noites mais