- - - - - - - - - -

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira
° Caro visitante, existe 1 minuto de interregno entre a identificação dos intérpretes °
Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores.

"mp3 disponíveis"

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Existem (pelo menos) 80 letras publicadas que não constam do índice. Caso encontre alguma avise-me, por favor.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

6.295 LETRAS PUBLICADAS /*/ 2.135.500 VISITAS /*/ 31.05 2021

ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO.

Pois mesmo desagradando // A "Troianos" maldizentes / Os "Gregos" vão apoiando // E vão ficando contentes

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Se não encontra a fado preferido // Envie, por favor, o seu pedido.

" fadopoesia@gmail.com "

- - - - - - - - - - - - - - - -

Pesquisa >

A rua do desencanto

Fernando Peres / Jaime Santos
Repertório de Alcindo de Carvalho


A rua do desencanto / Maré solta sem abrigo
Tem pedras feitas de pranto / Como cumprindo um castigo
Uma vida de abandono / Começa onde quer findar
Noites e noites sem sonho / Dias sem querer acordar

Escuridão feita de medo / Vozes roucas de ciúme
Vão murmurando um segredo / Como se fosse um queixume
Versos perdidos, de fado / Pobres sombras desmaiadas
Ficam juntas no pecado / Das mesmas horas paradas

A alma na noite morta / Na promessa dum desejo
Como parede sem porta / Ou boca que quer um beijo
É resto de madrugada / Pedaço de rima solta
Desespero em mão fechada / Ou esperança que já não volta