- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.350 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Chegas coradinha

Rosa Lobato Faria / Moniz Pereira
Repertório de António Pinto Basto

Sobre a blusa branca o xaile azul
Como quem nos ombros traz o céu
Abres a cancela ao vento sul
A morder a aba do chapéu

Chegas coradinha, talvez do calor / Chegas coradinha tal qual a romã
Chegas coradinha talvez seja amor / Chegas coradinha do ar da manhã;
Chegas tão bonita, cheiras a alecrim / És erva do monte, pedra no caminho
A roupa de chita, a pele de cetim / És água da fonte, flor de rosmaninho

Tal como a papoila do trigal
Tens poeira de oiro no perfil
Enrolaste o pão no avental
Apoiaste a cesta no quadril

Chegas coradinha talvez do calor / Chegas coradinha tal qual a romã
Chegas coradinha, talvez seja amor / Chegas coradinha do ar da manhã;
Chegas tão singela, tão cheia de sol / Bates á janela, p'ra dizer bom dia
És o meu poema, o meu lá bemol / Enches de alfazema esta nostalgia

Tens florinhas soltas de lilás
Na trança que teima em desmanchar
És a melhor fruta do cabaz
A mais sumarenta do pomar