- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Canal de JOSÉ FERNANDES CASTRO em parceria com RÁDIO MIRA

RÁDIO apadrinhada pelo mestre *RODRIGO*

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
AS LETRAS PUBLICADAS REFEREM A FONTE DE EXTRAÇÃO, OU SEJA: NEM SEMPRE SÃO MENCIONADOS OS LEGÍTIMOS CRIADORES
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
ATINGIDO ESTE VALOR // QUE ME FAZ SENTIR HONRADO // CONTINUO, COM AMOR // A SER SERVIDOR DO FADO
POIS MESMO DESAGRADANDO // A TROIANOS MALDIZENTES // OS GREGOS VÃO APOIANDO // E VÃO FICANDO CONTENTES
--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
6.525 LETRAS PUBLICADAS <> 2.552.800 VISITAS < > AGOSTO 2022
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Despir a noite

Tiago Torres da Silva / Joaquim Campos *fado vitória*
Repertório Celeste Rodrigues

O barco deixa Cacilhas
E navega poucas milhas
Até chegar a Lisboa;
Trespassa as águas o rio
Que a noite veste de frio
E que a saudade abalroa

Á proa dum cacilheiro
Vejo o Castelo altaneiro / Roubando a luz ao sol-posto
E eu fico tão sózinha
Que até a noite se aninha / Nos braços do meu desgosto

Talvez se eu esticar o braço
Possa o Terreiro do Paço / Vir dormir na minha mão
Ou talvez ao ver a Estrela
Eu sinta que basta vê-la / P'ra espantar a solidão