- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.266.500 VISITAS <> SETEMBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Canção em linha reta

João Monge / Carlos Barreto
Repertório de Hélder Moutinho 

Ai se a minha mãe soubesse
As coisas que dela herdei e não quero revelar
A dor alheia que entristece
Nas ruas onde passei e que me fazem cantar

Eu já cantei p’ra vagabundo
P’ra gente do outro mundo e p’rra quem nem lugar tem
Eu finjo que são coisas de poeta
São canções em linha reta que aprendi co’a minha mãe

É bom saber de onde vim
Saber a terra que piso
Há dois irmãos dentro de mim
A loucura e o juízo

Às vezes mostro o meu lado feliz
Canto na boca de cena à luz da estrela polar
Ao longe vejo o seu olhar que diz
Que esta vida vale a pena, que vale a pena cantar

E juro que amanhã vai ser diferente
Vai haver baile de gente com o amor que a gente tem
Então não são coisas de poeta
São canções em linha reta que aprendi co’a minha mãe