- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

A senhora Mouraria

Fernando Farinha / Alberto Correia
Repertório de Fernando Farinha 

A Mouraria deixou de ser cantadeira
Já veste de outra maneira / Está com aspecto mais novo
Lisboa quis ser sua protectora
E fez dela uma senhora / Já não è mulher do povo

Fez do passado um segredo
Agora deita-se cedo / E acorda cedo também
E o fado, seu antigo namorado
Já se sente envergonhado / Da beleza que ela tem

Lisboa disse adeus à Mouraria
E o fado desde esse dia, com saudade
Sem saber onde morar
Andou perdido a cantar pela cidade
Agora que o Bairro Alto o prendeu
E que o povo o recebeu em sobressalto
Eu
peço nesta cantiga
Que Lisboa nunca diga
Um adeus ao Bairro Alto


A Mouraria já não è a rapariga
Boémia, simples e amiga / De noitadas e de farra
Não quis o velho xaile franjado
Pôs as cantigas de lado / E até vendeu a guitarra

Já não usa tamanquinhas
Não entra no Campainhas / Nem se dá com o rufia
Por isso, o velho Apolo, saudoso
Morreu triste e desgostoso / Com pena da Mouraria