- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.360 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Estás aí

Rosa Lobato Faria / Luis Duarte
Repertório de Tony de Matos 

Estás aí, minha pedra molhada
Minha namorada p'ra eu namorar
Estás aí, minha ave morena
Cheiro de verbena espalhado ao luar

Estás aí, minha quente lareira
Manta na cadeira dos primeiros frios
Está aí, minha erva cidreira
Florzinha rasteira da margem dos rios

Estás a, meu amor, minha esperança
Minha negra trança, meu doce perfil
Estás aí, meu calor, meu abraço
Pomba de Picasso, pedaço de abril

Estás aí, minha amora madura
Aurora frescura, loucura de amor
Estás aí, minha voz à procura
Da nota segura que canta uma flor

Estás aí, minha folha de outono
Pássaro sem dono, barco de verão
Estás aí, minha gruta secreta
Meu sangue poeta, meu fruto, meu pão

Estás aí, meu quarteto de cordas
Meu mar que acordas ao amanhecer
Quer me beijes, me abraces, me mordas
È nas tuas ondas que eu quero morrer