- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.266.500 VISITAS <> SETEMBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Aquele fadista ignorado

Silveste José / Armando Freire *alexandrino do estoril*
Repertório de José Guerreiro

Houve um fadista antigo, que só ouvi cantar
Canções todas ligadas, ao sítio onde nasceu
O fado que ele cantou, nem sequer trautear
Escutei uma só vez, porque ele mo escondeu

Cantava lindamente, de modo sóbrio e vário
Alguns bem conhecidos, fados do Marceneiro
Usou fato de ganga, a farda do operário
Era o fado vadio, na voz de um serralheiro

Desse fadista antigo, seu fado eu ignorava
Um ano e outro passa, lembro com devoção
Por isso vou cantando, assim como ele gostava
O peso da saudade, baila no meu coração

Fazer com ele dueto, não me calhou em sorte
Tinha sido bonito, cantarmos lado a lado
Há muito que partiu, ao encontro da morte
Fiquei com a herança, dele, minha e do fado