- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.266.500 VISITAS <> SETEMBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Além disso tem o fado

Letra e musica de Carlos Alberto França
Repertório de António Mourão

Atravessei o Rio Tejo
Matei o desejo que tinha, de ver
Lisboa do outro lado
Sob o sol dourado ao amanhecer
Quando o barco se afastava
E ela ficava para trás de mim
Vi como diferente
O que a gente sente quando a vê assim

Percorri com o olhar
O perfil secular que ainda mantém
Os teus telhados vermelhos
E os prédios velhos d'Alfama e Belém
E fiquei embevecido
Para sempre convencido
Que não há outra cidade
Que tenha o que a nossa tem

Nas tuas sete colinas
Vareiras, varinas, castelo emproado
Avenidas e vielas
O velho e o novo, tudo misturado
Tem relíquias e museus
E o mais azul dos céus
Tem o que as outras não têm
E além disso tem o fado