- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.360 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Chuva *ao ver a chuva caír*

Carlos Rocha / Marcha do Manel Maria
Repertório de Fernando Maurício

Ao ver a chuva cair
Sinto vontade de rir
E recordo a ocasião
Em que de chapéus erguidos
Iamos tão distraídos
Que te dei um encontrão

Não sei se foi minha a culpa
Mas sei que perdi desculpa / Ao ver que estavas zangada
E quando em mim reparaste
Eu vi logo que gostaste / Desta cara descarada

Apertei-te docemente
Quando a chuva inclemente / Nos levou p’ra um portal
Foram minutos de espera
A gerar uma quimera / Que nos fez esquecer o mal

E essa chuva que caía
Cada vez mais forte e fria / Nossas almas aqueceu
Por isso, me rio agora
E bendigo aquela hora / Em que a chuva nos prendeu