- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

A Rita

Letra e musica de João Viana
Repertório de Raúl Dias

Lá vai a Rita a passar
A sorrir, a gingar / Com seu ar folião
É a mais linda varina
Que passa ladina / Entoando um pregão

Ao vê-la no seu andar / Onde em si, a graça esconde
Não há ninguém que não pare / E lhe diga uma graça
Ao que ela responde

A Rita pescada fina
Já foi pescada por um pescador
Com uma rede divina
Feita e bordada com fios d’amor
A Rita é como a sereia
Espalha desejos, prende em seguida
Já tem alguém que a enleia
E lhe dê beijos p’ra toda a vida

A Rita tem uma trança
Que salta, balança  / Ao compasso do passo
Tem nas saias, que são três
O sabor a marés  / E o perfume a sargaço

Canta o fado quando calha / A voz é dor a carpir
E quando passa a muralha / Há gacejos que ela
Responde a sorrir