- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.360 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Entre tanto

Manuela de Freitas / Armando Augusto Freire *fado alexandrino antigo*
Repertório de Marco Rodrigues

Entre a rosa desfolhada e o espinho que fere a mão
Entre a poeira da estrada e a escada sem corrimão
Entre a mancha na parede e a falha no vitral
Entre o deserto de sede e a montanha de sal

Entre o estore avariado e o moscardo na vidraça
Entre o cigarro apagado e o veneno na taça
Entre a arma que e apronta e a mão que não se estende
Entre o mal com que se conta e o bem que não se defende

Entre o grito e o segredo, presença tão calculada
Entre a loucura e o medo, ausência tão arriscada
Entre o disco repetido e o silêncio pesado
A mesa de pé partido e o verso de pé quebrado

Entre a margem e o fundo, entre mim e tanta gente
Entre esta casa e o mundo, entre tanto tão diferente
Em constante recomeço passa o tempo, muda o espaço
Entretanto eu entristeço, mas não cedo no espaço

E entre o que não é nada
E tudo aquilo que enfrento
Há uma rima encontrada
Um novo fado que invento