- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.305 LETRAS <> 2.180.000 VISITAS <> JUNHO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

A última tourada em Salvaterra

Maria Manuel Cid / Casimiro Ramos *fado freira/oliveira*
Repertório de Rodrigo


Conta-nos a tradição
Que em tempos que já lá vão
O Pombal, em franca guerra
Acabou p’ra nunca mais
Com as touradas reais
Em praças de Salvaterra

Toureava nesse dia / Ante nobre fidalguia
O jovem Conde dos Arcos
Cujo sangue valoroso / Por capricho desditoso
Na arena ficava em charcos

De Marialva, o Marquês
Olha o touro que desfez / O seu filho tão amado
E diz a El-rei, com fervor
Eu vos juro meu senhor / O Conde será vingado

El-rei nega por temor / Mas desvairado p’la dor
O Marquês saltou p’ra praça
E vinga com decisão
Pela sua própria mão / O sangue da sua raça

Então El-rei, que chorava
Ao ministro que aguardava / Disse: Marquês de Pombal
Jamais, fica ordenado
Haverá no meu reinado / Outra tourada real