- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.266.500 VISITAS <> SETEMBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Dizem

Duarte / Carlos da Maia *fado perseguição*
Repertório de Duarte


Dizem que nunca te amei
Que fui sempre um *bon vivant*
E que vou ser sempre assim
Também dizem que sou gay
Que durmo em qualquer divã
Quando a noite chega ao fim

Dizem que não te mereço
Que p’ra mim tudo tem preço
Sou ooferta e oferecido
Dizem que eu ando à mercê
Que não sou o que se vê
Bandido e caso perdido

Dizem que fui e não vou
Dizem que estive e não estou
Mas que devia ter ido
Também dizem, quando estou
Que o dia bom já passou
Não sou tido nem ouvido

Dizem uns, que outros não dizem
Porque não querem saber
Do tanto que há por dizer
Dos tantos que tanto dizem
Nada sabem do que dizem
E mais nada vão saber