- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.347.000 VISITAS <> NOVEMBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Um pedido ao Pai Natal

Armando Costa / António Moreira (ou?) Paco Gonzalez 
Repertório de Armando Costa


Ó Pai Natal de barbas cor do linho
Meu pai Natal dos tempos de criança
Eu vou pôr esta noite o sapatinho
Na minha chaminé de luz e esperança

E como outrora fiz, vou-te pedir
Mas desta vez não é um carrócel
Ou palhaço de seda ou de papel
O meu desejo é outro, vais ouvir

Aonde houver tisteza, fome e guerra
Acode aquela gente, a dor é tanta
E leva a cada pobre que há na terra
A paz que vem do céu, humilde e santa

Mas antes de seguires o teu caminho
E te perderes lá longe na distãncia
Deixa ficar no velho sapatinho
Um beijo a recordar a minha infãncia