- - - - - - - - - -

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira
° Caro visitante, existe 1 minuto de interregno entre a identificação dos intérpretes °
Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Existem (pelo menos) 80 letras publicadas que não constam do índice. Caso encontre alguma avise-me, por favor.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

6.270 LETRAS PUBLICADAS /*/ 2.078.500 VISITAS /*/ FEVEREIRO 2021

ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO.

Pois mesmo desagradando // A "Troianos" maldizentes / Os "Gregos" vão apoiando // E vão ficando contentes

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Se não encontra a fado preferido // Envie, por favor, o seu pedido.

fadopoesia@gmail.com

- - - - - - - - - - - - - - - -

BARRA DE PESQUISA

Onde nem entra a saudade

Tiago Torres da Silva / Carlos Neves *fado tamanquinhas*
Repertório de Clara

Numa tasca escura e fria
Onde nem entra a saudade
Não há mar nem maresia
Mesmo assim, a poesia
Sente-se ali à vontade

Na mesa mais recolhida / Está um poeta sentado
Busca o mar numa bebida
Onde ele encontre outra vida / Que talvez se chame fado

Rabisca numa toalha / Uns versos que ela lhe ensina
Cada verso é uma mortalha
Onde o poeta agasalha / Os gritos de uma varina

E depois, quando eu lhe canto / Os versos que ele escreveu
Ele afasta-se no espanto
De descobrir que o seu pranto / É tão grande como o meu