- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.310.000 VISITAS <> OUTUBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Vejo

José Luís Gordo / Frederico de Brito *fado dos sonhos*
Repertório de José da Câmara 

Às vezes quando me afundo 
Nesse teu olhar profundo 
Vejo papoilas num prado 
Vejo as estrelas paradas 
Vejo tantas madrugadas 
Vozes perdidas num fado

Vejo ruelas, Alfamas 
Vejo ódio em tantas camas / Tantos amores sem amor
Vejo tanto sofrimento 
No teu rosto sem lamento / Mora um coração de dor

Dás teu corpo de mulher 
Sem amor e sem prazer / Sem paixão e sem ternura 
No fermento da razão 
Enterras teu coração / Nas paredes da amargura

E no quarto aonde moras 
Quantas vezes tu não choras / Por mais que te doa a vida 
Foi Deus que te deu tal sorte 
Que às vezes pedes à morte / Uma porta de saída