- - - - - - - - - -

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira
° Caro visitante, existe 1 minuto de interregno entre a identificação dos intérpretes °
Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Existem (pelo menos) 80 letras publicadas que não constam do índice. Caso encontre alguma avise-me, por favor.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

6.270 LETRAS PUBLICADAS /*/ 2.078.500 VISITAS /*/ MARÇO 2021

ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO.

Pois mesmo desagradando // A "Troianos" maldizentes / Os "Gregos" vão apoiando // E vão ficando contentes

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Se não encontra a fado preferido // Envie, por favor, o seu pedido.

fadopoesia@gmail.com

- - - - - - - - - - - - - - - -

Pesquisa.

Menino triste

Letra e música de Jorge Fernando
Repertório de Jorge Fernando c/ Jorge Nunes

Olhos fixos, tristes, fixos não sei onde
Redondos, parados, lentos e perdidos
E o que de triste às vezes o olhar esconde
São mágoas a exorcizar-nos os sentidos

E o vento, entre os cabelos ao vento
Como dedos solidários e profanos
Eram como duas mãos a dar-lhe alento
Não tinha mais que dez ou doze anos

De que profundezas sofreu, o abismo
Que de brincar, recusou todo o seu ser
E que mão lhe derramou um tal cinismo
De culpas e recusas de viver

Não lhe deu afago a vida, e então ele
Cresceu no corpo em que a alma lhe cresceu
Trago todo na memória e em minha pele
Porque esse menino triste… era eu!