- - - - - - - - - -

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira
° Caro visitante, existe 1 minuto de interregno entre a identificação dos intérpretes °
Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Existem (pelo menos) 80 letras publicadas que não constam do índice. Caso encontre alguma avise-me, por favor.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

6.270 LETRAS PUBLICADAS /*/ 2.078.500 VISITAS /*/ MARÇO 2021

ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO.

Pois mesmo desagradando // A "Troianos" maldizentes / Os "Gregos" vão apoiando // E vão ficando contentes

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Se não encontra a fado preferido // Envie, por favor, o seu pedido.

fadopoesia@gmail.com

- - - - - - - - - - - - - - - -

Pesquisa.

A balada de João Saramago

Letra e música de Paco Bandeira
Repertório de Alfredo Guedes 

De lenço ao pescoço, chapéu dasabado
Samarra curtida de pele de borrego
Cansado da jeira, João Saramago
Risca a pederneira, acende um cigarro

Caminha por veredas a passo marcado
Um velho costume que tem de soldado
Pensa de maneira no país mudado
Que o tempo correndo, eu sempre parado

Já se vê ao longe o monte do guizo
João Saramago ensaia um sorriso
Entra na rotina, senta-se à lareira
No burro de azinho à espera da ceia

Deita-se com ela, não pode haver nada
Que o filho mais velho já ouve e já fala
Rompe a mdrugada, pega no machado
Que vida lixada, João Saramago