- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.266.500 VISITAS <> SETEMBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Sé velhinha

Américo Costa / Isidro Batista
Repertório de João Correia 
Este tema foi também gravado com o título "Passo à Sé"

Passo à Sé já de noitinha / Vou encostar-me ao pelouro
Tranquila em sonho ledo
Vejo a Ribeira rainha / Enamorar-se do do Douro
Dando ciúme a Barredo

E a Maria Manuela / Com o seu xaile traçado
À modinha afadistada
No chão se ajoelha e reza / E pôs-se a cantar o fado
Até alta madrugada

Eu quero viver sempre na Sé
Porque tu, Sé
És o meu torrão amado 
Tu, Sé velhinha
És o meu berço sagrado
E do Porto és a rainha
E és rainha do fado

Vejo o Chico de samarra / E calça à boca de sino
Isto, às três da madrugada
Leva consigo a guitarra / E já ébrio, quase sem tino
Cambaleia na calçada

Eu vejo o Fá e a amante / Em sincera comunhão
Embora dois plebeus
Eu vejo a lua distante / A cair  na imensidão
E à Sé dizendo adeus