- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

* Existem (pelo menos) 80 letras publicadas que não constam do índice. Caso encontre alguma avise-me, por favor *

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* SE NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------

2.135.500 VISITAS /*/ 31.05.2021

--------------------------------------------------

NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO.
Vasco Graça Moura /// Porto 03.01.1942 /// Lisboa 27.04.2014
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Remos partidos

Lima Brumon / Helena Moreira Viana
Repertório de  Mariette Pessanha

Enquanto me olhas sem nada dizer
Remordo as palavras que nunca te digo
Abraçam-se as ondas antes de morrer
Não posso abraçar-te, quero morrer contigo

Na minha tristeza baloiça-se o vento
E vivo a apagar meus passos na areia
Se tu me procuras a  todo o momento
Sou palha queimada, o fogo não me ateia

Quem sabe se os barcos de remos partidos
Encontram a rota
Da margem mais certa
Os ventos são sete, são cinco os sentidos
E nada resiste 
À solidão completa

Aquela gaivota que a outra encontrou
Na praia deserta com uma asa partida
Deixou suas asas, nunca mais voou
Cada vez mais triste, adia a fugida

A força do mundo puseste aos meus pés
Que tinham pisado só lama e poeira
Não sei quem procuras, mas sei bem quem és
São belas as rosas e há quem as não queira