- - - - - - - - - -

- - - - - - - - - -
- - - - - - - - - -

° Caro visitante, existe 1 minuto de interregno entre a identificação dos intérpretes °
Loading ...

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Existem (pelo menos) 80 letras publicadas que não constam do índice. Caso encontre alguma avise-me, por favor.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

6.200 LETRAS PUBLICADAS // 2.028.600 VISITAS // Janeiro 2020

Atingido este valor // Que me faz sentir honrado // Continuo, com amor // A ser servidor do fado.

.

O fado nasceu na rua

José Guimarães / Manuel Reis
Repertório de Sandra Correia

Como um condão fatalista
Naquele velho fadista / A saudade continua
Diz que no fado nasceu
E que a escola onde aprendeu / Foi na rua

È boémio, è fado rasca
Vai aos retiros e à tasca / P’ra cumprir a sina sua
Mas depois de vadiar
Volta sempre ao seu lugar / Que è na rua

Um candeeiro apagado
Uma guitarra, um trinado
E o fado a noite acendeu
Uma voz num tom magoado
Canta a dizer que este fado
Foi na rua que nasceu

Fado, canção da cidade
Meu rosário de saudade / Ès verdade nua e crua
Fado triste das vielas
Que se canta nas janelas / Para a rua

Naquela mulher de esquina
No pregão de uma varina / Fado è voz que flutua
Cantiga de ser bairrista
E o fadista è mais fadista / Se è da rua