- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.305 LETRAS <> 2.180.000 VISITAS <> JUNHO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Anjo ou demónio?... eu !

Mário Raínho / Daniel Adzemian
Repertório de Mara Pedro

Sou assim, não sou mais nada
Um misto de sol e lua
Empedrado de calçada
Sinistra sombra de rua

Sou, quiçá, um dos barqueiros / Das barcas de Gil Vicente
Que conduz os derradeiros / Destinos, de tanta gente

Não vou onde quero ir / Vou só por onde não quero
Se me apetece sorrir / Choro sem ter desespero

Gargalho a minha tristeza / Dou luto à minha alegria
E nunca tenho a certeza / Quando é noite ou quando é dia

Sou esta contradição / Feliz em sonhos aflitos
No meio da multidão / É que oiço o silêncio aos gritos

Sou citadino e campónio / Nenhum dos dois mora em mim
Serei
um anjo ou demónio / 
Descubram isso por mim