- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

* Existem (pelo menos) 80 letras publicadas que não constam do índice. Caso encontre alguma avise-me, por favor *

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* SE NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------

2.135.500 VISITAS /*/ 31.05.2021

--------------------------------------------------

NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO.
Vasco Graça Moura /// Porto 03.01.1942 /// Lisboa 27.04.2014
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Manda-chuva *o gaiteiro*

Rui Rocha / Miguel Rebelo
Repertório de Miguel Rebelo

Cadência marcada na marcha que é lenta
Empurrando a roda na manhã cinzenta
Já enche a calçada com sons de gaiteiro
Na pausa merecida do homem andeiro

E a roda parada sem tocar o chão
Aguarda a resposta depois do pregão
E vem amenina com ar de donzela
Trazendo a sombrinha que diz não ser dela

Varetas, senhor
Parecem ser três
Sombrinha de estima
Morreu quem a fez

Vem também a Rosa, no bairro *a peixeira*
Traz facas de amanho, quer ser a primeira
Tem freguês na banca, não pode esperar
Quem lhe dá sustento, é que é de estimar

Navalhas de barba, tesouras de pano
Na manhã mais bela e cinzenta do ano
E a roda já roda sem tocar o chão
Foi boa a resposta depois do pregão