- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

* Existem (pelo menos) 80 letras publicadas que não constam do índice. Caso encontre alguma avise-me, por favor *

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* SE NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------

2.135.500 VISITAS /*/ 31.05.2021

--------------------------------------------------

NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO.
Vasco Graça Moura /// Porto 03.01.1942 /// Lisboa 27.04.2014
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Lés a lés

Linhares Barbosa / Alberto Simões Lopes *fado dois tons*
Repertório de Fernando Maurício

Há lá coisa mais bonita
Que um português de samarra
Embarcar com a guitarra
No seu saquito de chita

Foi sempre assim, acredita / Mal que a gente põe os pés
No sobrado do convés / Sentimos da pátria, a imagem
E vamos toda a viagem
A cantar de lés a lés

Vai do mundo a qualquer parte / E verás em todo o mundo
Do teu Portugal jecundo  / Vestígios do seu estandarte;
O teu país foi na arte / De navegar, o primeiro
Como não há marinheiro / Que não cante o triste fado
O fado deste soldado
Atravessa o mundo inteiro

Sobre a madeira dum barco / Foi à Ilha da Madeira
A descoberta primeira / Do grande Gonçalves Zarco;
Mas como o prémio era parco / Para um génio aventureiro
Vê-se que o fado plebeiro (?) / Vai ao Brasil, a Ceilão
Pedaços desta canção
Verás em todo o estrangeiro