- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.485 LETRAS <> 2.524.500 VISITAS <> JULHO 2022 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Dois irmãos

Carlos Zamara / Fernando Freitas *fado viela*
Repertório de Frutuoso França

Dois irmãos, lusos de origem
Lutavam p'la terra deles
Em duas frentes distantes
Enquanto em frente da virgem
A mãe rezava por eles
Em orações suplicantes

E dizia num enleio
Minhas saudosas carícias / Tão longe, não posso dar-tas
Até que chega o correio
Mensageiro de notícias / Que entrega à mãe duas cartas

E à luz do sol que ilumina / Os seus cabelos de neve
Na primeira leu assim
Minha mãe santa, divina / Não chores que chego breve 
P'ra ter-te junto de mim

Abre a segunda em seguida
Numa expressão que condói / Aquela santa velhinha
Após vender cara a vida
Seu filho, como um herói / Tombou na primeira linha

E num espantoso martírio
Um morrer, outro voltava / Nas cartas assim dizia
A santa mãe, num delírio
Não sabia se chorava / De tristeza ou de alegria