- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

* Existem (pelo menos) 80 letras publicadas que não constam do índice. Caso encontre alguma avise-me, por favor *

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* SE NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------

2.135.500 VISITAS /*/ 31.05.2021

--------------------------------------------------

NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO.
Vasco Graça Moura /// Porto 03.01.1942 /// Lisboa 27.04.2014
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Cidade meu sofrimento

Fernando Campos de Castro / Franklim Godinho
Repertório de Arlindo de Oliveira

Cidade aonde me agito           
Onde falo e quase grito
Procurando a minha idade
Cidade que é esta fome
Dum fogo que se consome
Entre mentira e verdade

Cidade que me entontece
Com bordeis onde se esquece / Entre o cigarro e a bebida
É no teu ventre que pulsa
Entre o prazer e a repulsa / Tanta morte e tanta vida

Cidade minha razão
Minha eterna confusão / És barco sem ter infância
Cidade rio afundado
Pelo mar encapelado / Nas praias da tolerância

Ai cidade aonde habito
Entre o longe e o infinito / Do dia a dia que enfrento
Ai cidade tão ingrata
De luxo e bairros de lata / Cidade meu sofrimento